C.E.S.A.R.

O C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife é um centro privado de inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação (TICs), cuja missão é realizar a transferência auto-sustentada de conhecimento em tecnologias da informação da universidade para a sociedade.

Desde 1996, o C.E.S.A.R. desenvolve produtos e serviços que cobrem todo o processo de geração de inovação – da ideação até a execução de projetos – para empresas e indústrias em setores como telecomunicações, eletroeletrônicos, automação comercial, financeiro, mídia, energia, saúde e agronegócios. A capacidade de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) dos seus aproximadamente 400 colaboradores apóia seus clientes a reescreverem seus negócios a partir da criação e implantação de soluções inovadoras, baseadas em tecnologia da informação.

Motorola, Samsung, Vivo, Oi, Positivo, Dell, Visanet, Bematech, Bradesco, Unibanco, Banco Central do Brasil, Siemens, Philips, CHESF e Agência Nacional de Águas – ANA são algumas das instituições que trabalham ou já trabalharam em parceria com o C.E.S.A.R na elaboração de estudos, prototipação e desenvolvimento de soluções para seus negócios.

A Design House do C.E.S.A.R possui ferramental específico para a realização de serviços de design de Circuitos Integrados (CI), compreendendo todas as etapas do desenvolvimento:

  1. Concepção: análise do problema e captura dos requisitos do cliente. Ao final desta etapa, caso seja concluído que a solução do problema passa pelo desenvolvimento de um chip, será produzido um documento de especificação do CI;
  2. Definição da arquitetura: com base em uma especificação de requisitos do CI a DH projeta a arquitetura de blocos do chip, particionando suas funcionalidades de acordo com suas características;
  3. Implantação: a partir de um documento de arquitetura e detalhamento dos blocos do CI, eles são implementados em diferentes níveis de abstração até chegar à tecnologia de processo de fabricação alvo;
  4. Protótipo: através de fábricas parceiras o CI é produzido em escala de protótipo para testes e validação;
  5. Caracterização e testes: uma vez produzidos, os protótipos passam por um processo de caracterização das suas propriedades eletromagnéticas e por uma bateria de testes;
  6. Teste de campo: A DH realiza junto com o cliente o teste de campo do protótipo do CI projetado no contexto da aplicação alvo.


Mais informações: www.cesar.org.br